A tecnologia tem um papel essencial nos escritórios jurídicos e não é apenas atrelado ao processo eletrônico.

Temos a tecnologia como fator preponderante para pesquisas, para debate de teses entre colegas, para contato com clientes, enfim, inúmeras atividades.

Uma pesquisa da Thompson Reuters mostra claramente que o uso da tecnologia está disseminado, embora ainda existam barreiras a serem vencidas.

O estudo foi feito com 5,4 mil advogados de todas as regiões do país, sendo a maioria (93%) do estado de São Paulo. 

Para 97% dos entrevistados, a tecnologia é uma importante aliada para tornar a pesquisa jurídica mais rápida e mais precisa, sendo que 83% enxergam vantagens expressivas em poder consultar diferentes conteúdos jurídicos (leis, doutrinas, jurisprudências etc.) em dispositivos móveis, como tablets e notebooks. Entre as principais vantagens apontadas está facilidade de fazer uma consulta sobre um tema específico de forma mais rápida — busca por palavras-chave e conceitos correlacionados — em múltiplos livros, além da mobilidade de poder acessar essas informações de onde estiverem e a qualquer momento. 

Apesar de ser a preferência dos advogados pesquisados, o conteúdo na internet desperta desconfiança. Mais da metade (56%) concorda que há muita informação, porém o conteúdo parece pouco confiável. O excesso de informações também causa preocupação na classe. Diante de tantos dados, 62% dos profissionais afirmaram que dispõem de pouco tempo para encontrar uma informação específica diante de tantas fontes disponíveis.

Quando perguntados sobre o tipo de interação que mantém com as obras e demais conteúdos jurídicos consultados em cada caso em que trabalham, 88% falaram da importância de ter acesso a um grande acervo de obras de diversas áreas do Direito; 62% ressaltaram as anotações que costumam fazer em seus livros físicos como muito estratégicas, já que elas se configuram em base histórica de suas argumentações; e 73% disseram precisar de mais espaço para armazenar todos os livros que usam para essas consultas.

Fonte: ConJur

E além destas tecnologias de uso direto a advocacia, temos o uso de softwares jurídicos como ferramentas de produtividade.

O software, independente de qual seja, deve ter as seguintes características para ser adequado ao seu escritório:

  • Ser acessado pela web e não instalado nos computadores;
  • Informações devem ser retiradas do sistema com brevidade e principalmente facilmente e não para cada coisa que se precisa necessita de relatórios e cursos de como obter as informações;
  • Deve espelhar a realidade do seu negócio (tipo de cliente, tipo de demanda, quantidade de clientes e processos, etc)
  • No departamento, espelha a realidade da gestão da empresa?
  • Tem indicadores claros e objetivos em relação ao negócio?

Enfim, software tem que ser simples, funcional e adequado a realidade do escritório sob pena de se tornar um fardo.

Uma outra dica importante é treinamento. Não apenas o treinamento fornecido pelo fabricante do sistema, mas treinamentos de gestão, que mostram aos usuários como usar o sistema implantado na realidade do escritório.

E, se nada disto acontece no seu escritório, cuidado! Tecnologia quando não é útil, ela é um entrave que atrapalha em muito a gestão do escritório e consequente produtividade e rentabilidade.

#FiquedeOlho!


Texto originalmente publicado no Blog do Dr. Gustavo Rocha, professor do Curso de Extensão Gestão de Escritório de Advocacia da Verbo Jurídico.

Comentários

Comentários

Share.

About Author

Gustavo Giraldello

Consultor nas áreas de gestão e tecnologia estratégicas, sócio da Consultoria Gustavo Giraldello e professor da Verbo Jurídico. Contato: gustavo@giraldello.com.br / +55 (51) 8163.3333

Comments are closed.